• Adriana Valadares

CMBH define membros das CPIs que vão apurar transporte público e gastos da PBH na pandemia

A Câmara Municipal de Belo Horizonte definiu, nesta terça-feira (18), os membros das duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) instaladas neste mês para apurar a atuação do município em relação ao transporte público e o uso de recursos por parte da prefeitura no combate à pandemia.

A nomeação dos membros de cada comissão, feita pela presidente da Casa, Nely Aquino (Podemos), foi realizada a partir de indicações dos líderes de bancadas e blocos parlamentares. O vereador mais velho de cada grupo tem até a próxima sexta-feira (21) para convocar a primeira reunião. Nela, serão definidos o presidente e relator. A CPI do transporte público será composta pelos seguintes vereadores titulares e respectivos suplentes:

  • Wanderley Porto (Patriota)/ Fernando Luiz (PSD)

  • Reinaldo Gomes (MDB)/ Professora Marli (PP)

  • Gabriel Azevedo (Patriota)/ Henrique Braga (PSDB)

  • Professor Claudiney Dulim (Avante)/ Léo (PSL)

  • Bella Gonçalves (PSOL)/ Macaé Evaristo (PT)

  • Bráulio Lara (Novo)/ Fernanda Pereira Altoé (Novo)

  • Rubão (PP)/ Wilsinho da Tabu (PP)

O objetivo desta comissão é investigar a "omissão da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) frente ao desrespeito constante das normas de prestação do serviço de transporte público coletivo de passageiros no município pelas concessionárias responsáveis".

Já a CPI dos que vai investigar o uso de recursos públicos pela prefeitura será composta pelos seguintes titulares e suplentes:

  • Nikolas Ferreira (PRTB)/ Marilda Portela (Cidadania)

  • Jorge Santos (Republicanos)/ Marcos Crispim (PSC)

  • Flávia Borja (Avante)/ Dr. Célio Frois (Cidadania)

  • Irlan Melo (PSD)/ Helinho da Farmácia (PSD)

  • Professor Juliano Lopes (PTC)/ Walter Tosta (PL)

  • José Ferreira (PP)/ Pedro Patrus (PT)

  • Bruno Miranda (PDT)/ Miltinho CGE (PDT)

A ideia desta CPI é apurar "a atuação e utilização de recursos públicos pela Prefeitura de Belo Horizonte no enfrentamento da pandemia do Covid-19 no município, especificamente quanto à ausência de informações precisas e transparentes sobre a destinação dos recursos originados dos governos federal e estadual".

O primeiro signatário de cada comissão não pode ser presidente nem relator. Nikolas Ferreira foi o primeiro signatário da CPI sobre os gastos da prefeitura no combate à pandemia, e o vereador Wanderley Porto, o primeiro da CPI da BHTrans. As comissões terão um prazo de 120 dias, contados a partir da data da instalação, em 10 de maio, para concluir os trabalhos. Se necessário, o prazo pode ser prorrogado por mais 60 dias.




0 comentário
radio_bar2.png

Ouça ao vivo!