• Adriana Valadares

Comitê busca verba para acabar com enchentes na avenida Tereza Cristina

O Governo de Minas e as prefeituras de Belo Horizonte e Contagem, na Grande BH, criaram, nessa terça-feira (26), um comitê para buscar recursos da ordem de R$ 500 milhões para a realização conjunta de obras de enfrentamento às enchentes na avenida Teresa Cristina.

O grupo tripartite é formado pelo secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato, pelo vice-prefeito de BH, Fuad Noman (PSD), e pela prefeita de Contagem, Marília Campos (PT), além das equipes técnicas de cada ente.

Conforme Marcato, as reuniões do comitê se iniciam na próxima terça-feira (2), com o intuito de atualizar e definir as ações necessárias para a solução dos problemas, incluindo a busca dos recursos com o governo federal ou com a iniciativa privada para a execução de obras.

"Nossa estimativa é que serão necessários cerca de R$ 500 milhões para as obras nas sete bacias que compõem o Ribeirão Arrudas. Esse é o grande desafio, pois são recursos elevados, e vamos buscar em várias fontes", afirmou Marcato.

O gestor lembrou que a responsabilidade pela execução dessas obras é dos municípios, mas declarou que a convergência entre os entes, sobretudo em áreas muito populosas, como é o caso de BH e Contagem, pode potencializar os resultados.

"BH e Contagem dividem as bacias do Riacho das Pedras e Ferrugem. Água não respeita limite de município e ninguém resolve problema de enchente se não trabalhar em conjunto. É preciso que os dois municípios estejam afinados", declarou.

Marcato informou que o Estado atuará no apoio e auxílio da coordenação do comitê, com ajuda na viabilização dos recursos e ainda de material humano.


Obras

Para conter a água durante as inundações, o governo de Minas e a prefeitura de Contagem estão construindo as bacias B2 e B5, no córrego Riacho das Pedras, que deságua no Ferrugem. A conclusão da B2 está prevista para o primeiro semestre do próximo ano.

Em Belo Horizonte, a prefeitura informou que está construindo bacias de detenção para armazenar o volume excessivo de água em seis pontos do Arrudas.

Uma é a do bairro das Indústrias, na Região do Barreiro, iniciada em março do ano passado, para conter 120 milhões de litros de água.

Também está em andamento a segunda etapa das obras nos córregos Olaria e Jatobá, desde junho de 2020. Essa bacia tem capacidade de retenção de aproximadamente 70 milhões de litros de água da chuva.

A Prefeitura de Belo Horizonte declarou que as obras vão diminuir os impactos da chuva na região da Avenida Tereza Cristina, mas que também é necessária a conclusão das intervenções no município vizinho.

O secretário de Obras de Contagem disse que são quatro bacias no Córrego Ferrugem, mais três no Riacho e outras três no Água Branca, e que o conjunto dessas obras é que vai trazer uma solução definitiva. Já o governo estadual informou que continua buscando medidas para viabilizar a execução das intervenções.


Enchentes

As chuvas fortes fazem transbordar córregos de BH e Contagem, causando alagamentos, estragos e fechamento de avenidas nessas cidades. A última delas foi registrada em 15 de janeiro.

Só em janeiro de 2020, a capital mineira contabilizou 13 mortes por causa das chuvas. Além disso, houve diversos casos de enchentes e deslizamentos de terra.





0 comentário
radio_bar2.png

Ouça ao vivo!