• jornalismo42

Nova audiência da Vale com governo de Minas termina sem acordo sobre Brumadinho

O governo de Minas Gerais não irá participar de mais nenhuma audiência com a Vale para discutir a reparação dos danos provocados pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A quinta reunião entre as partes, realizada nesta quinta-feira (21), terminou sem acordo em relação a pagamentos.

A tragédia matou 270 pessoas no dia 25 de janeiro de 2019. Onze corpos ainda não foram encontrados. Além das mortes, o rompimento provocou danos ambientais que inviabilizaram a água de parte do Rio Paraopeba, contaminado por rejeitos. "Não vamos nos lançar a um leilão para definir o valor desse acordo. A Vale age como se estivesse dando um 'presente' ao estado. Ela é a criminosa nesse processo", disse o secretário-geral do estado, Mateus Simões. O governo de Minas Gerais pede R$ 26,7 bilhões, além de R$ 28 bilhões por danos morais. Porém, a mineradora não concordou com os valores. A expectativa era de que um acordo fosse fechado antes de a tragédia completar dois anos, na próxima segunda-feira (25). Agora, a Vale tem uma semana para apresentar uma proposta. Caso ela não seja aceita, o processo volta a correr na 1ª instância a partir do dia 1º de fevereiro.

"É um momento da Vale agir com dignidade e reparar os danos aos mineiros ou demonstrar seu antagonismo e sua posição de inimiga de mineiros", disse o secretário.


Os atingidos pela tragédia criticam as audiências desde o início. Elas começaram a ser realizadas no dia 17 de novembro do ano passado. Uma série de manifestações aconteceram, cobrando maior transparência por parte do governo e da Justiça.


A Vale ainda não se posicionou sobre o assunto.




0 comentário
radio_bar2.png

Ouça ao vivo!