• Redação

Presidente do Atlético, Sergio Coelho cita valorização do elenco alvinegro

Sabatinado pela equipe da 90.3 FM, presidente alvinegro citou vários aspectos da temporada 2021 e planejamentos futuros




Sergio Coelho, presidente do Atlético, participou de uma sabatina nesta quinta-feira (23), na Rádio da Massa Atleticana, e, falou abertamente sobre a temporada 2021, negociações e planejamentos para a sequência do seu mandato. A sabatina contou também com as presenças de José Murilo Procópio e André Lamounier, vice presidente e diretor de comunicação do Atlético, respectivamente.


Com o Galo atravessando o melhor momento esportivo de sua história, e tendo um aporte financeiro significativo, é natural alguns nomes serem especulados ao clube alvinegro no mercado da bola. O mandatário explicou como a diretoria tem se portado: " Tem já previsto um encontro nosso (diretoria e comissão) para que a gente converse e veja a possibilidade de trazer algum jogador, desde que saia algum (do elenco atual). Nós entendemos que o Atlético, hoje, tem dois grandes atletas para cada posição, e se trouxermos mais, pode gerar problema em gestão de pessoas no grupo". Sergio ainda citou a valorização do elenco: "Após a eliminação frente ao Afogados, o nosso elenco valia aproximadamente R$30 milhões, agora o nosso elenco valorizou e tem o valor aproximado de R$800 milhões" concluiu o presidente.


E neste período de transações, o atual Campeão do Brasileirão e da Copa do Brasil conta com uma plataforma rica em análise, o CIGA (centro de informação do Galo). Sergio Coelho destacou a importância de ter esse recurso e explicou sua funcionalidade: "É um departamento que trabalham 14 pessoas. Essas pessoas assistem 3000 jogos por ano (número atingido em 2021), e o objetivo é mapear os atletas que possam vir para o Galo. Para fazermos as contratações, precisamos do aval do CIGA. E quando chegam a indicar (jogador), eles (profissionais do CIGA) já tem o levantamento do jogador, dentro e fora de campo", concluiu.

Ainda no assunto de tratativas, Sergio Coelho revelou que ainda não chegaram propostas por jogadores do Atlético. "Não temos nenhuma proposta para jogadores nosso. Existem alguns clubes com interesse de ter alguns dos nossos atletas, que não são titulares, mas como empréstimo. Para comprar e negociar não temos nenhuma proposta", disse.


Titulo do Torneio dos Campeões de 1937

A diretoria alvinegra acionou a CBF para reconhecer o Torneio dos Campeões, disputado e vencido pelo Galo em 1937. A competição foi disputada pelo principais campeões estaduais daquele ano e foi o primeiro campeonato reconhecidamente de âmbito nacional. A ação se baseia na lógica adotada pela CBF, que reconheceu os Torneios Roberto Gomes Pedrosa e Taça Brasil como títulos nacionais, o que aumentou o número de conquistas de várias equipes. Vice presidente do Atlético, dr. José Murilo Procópio falou sobre o assunto: "A CBF não tem o histórico (da conquista), mas nós estamos fazendo esse histórico, levando todas as provas demonstrativas de que o Atlético ganhou o Campeonato de 1937. E não há de se equiparar a Copa do Brasil, porque lá não era mata-mata, foi corrido por ponto", disse José Murilo.

Questionado se o pedido feito faz com que a diretoria reconheça os torneios de 1959 a 1970 como Campeonatos Brasileiros, Sergio Coelho foi enfático ao dizer que o primeiro Campeonato Brasileiro foi disputado em 1971. "O Campeonato Brasileiro começou em 1971 e ponto. Isso é inquestionável, até pela regulamentação do campeonato pelas regras, o primeiro foi em 1971. No passado houveram competições nacionais e que já foram reconhecidas como se fosse o Campeonato Brasileiro daquela época. Se os outros foram reconhecidos pela CBF, eu não vejo nenhum prejuízo para o Atlético ter o seu titulo de '37' reconhecido, eu só vejo vantagem.




Presidente ainda falou sobre S.A.F e a possível venda do shopping


Uma das novas tendências do futebol brasileiro é a transformação dos clubes de associações para Sociedades Anônimas do Futebol (SAF), ou de maneira mais simplória, clube empresa. O presidente atleticano falou sobre tal possibilidade, uma vez que o Galo, atualmente, conta com investidores por trás de suas movimentações, e poderia se enquadrar em tal modelo. De acordo com ele, essa transformação está passando por uma fase de estudos internamente. Isso porque, por se tratar de uma lei aprovada recentemente pelo congresso brasileiro, seria arriscado fazer a alteração de maneira imediata, sem que seja feita uma análise dos benefícios e riscos da mesma. A mudança, de acordo com ele, pode vir a acontecer, porém num cenário futuro.

Sérgio Coelho ainda complementou: “A mudança não depende do presidente, dos quatro

R´s. não somos nós quem vamos resolver numa mesa redonda e dizer vamos ou não vamos. Isso tem que ser levado para apreciação do Conselho e ser debatido durante um longo tempo. Eu acho que tem que serem feitas várias assembleias, vários encontros, ouvir a opinião de todos, contratar empresas que possam nos dar consultoria sobre o assunto.” O mandatário alvinegro concluiu dizendo que, segundo ele, todos os clubes do Brasil, com o tempo, vão se transformar em SAF, porém, com a necessidade do processo ser gradual e seguro.


Pauta recente da diretoria atleticana é a venda do restante do Shopping Diamond (vendido praticamente em sua metade para a construção da Arena MRV), cujos 49,9% ainda pertencem ao Galo nesse momento. O patrimônio, avaliado em cerca de 350 milhões de reais, teria seu valor utilizado para o pagamento de dívidas a curto prazo. “Nós vamos pegar esse valor e pagar dívida! Nós não vamos comprar jogador, não é para gastar com outras coisas a não ser dívida. Se a gente pagar 350 milhões de dívidas, nós vamos economizar de juros e correções/ano 50 milhões de reais.” explicou Sérgio.

Segundo o presidente, além da economia expressiva anual em juros, os 49,9% do Diamond rendem ao Galo cerca de 10 milhões de reais anuais, apenas 1/5 do que se economizaria a partir do momento em que os débitos fossem quitados com a venda do patrimônio. A operação, no entanto, não depende de aprovação da diretoria executiva, e sim, do aval de todo o conselho atleticano. Sérgio Coelho fez questão de ressaltar a necessidade de engajamento por parte dos conselheiros para que a venda possa ser aprovada, uma vez que, para ser aprovada, precisa de 2/3 do grupo votarem a favor. Esse montante, inclusive, do quadro geral composto por mais de 400 pessoas, e não apenas daqueles que comparecerem à votação.


A sabatina ocorreu na manhã desta quinta-feira (23), nos estúdios da 90.3 FM, dentro do programa Na Geral, com intermediação do presidente Carlos William, e pode ser revista a qualquer momento nos canais oficiais da emissora; Massa Live (Youtube e Facebook), site e aplicativo A Rádio da Massa.



0 comentário
radio_bar2.png

Ouça ao vivo!