• Adriana Valadares

Segundo o IEF,Incêndio que devastou Serra da Moeda foi criminoso


foto: divulgação Corpo de Bombeiros

Segundo o Instituto Estadual de Florestas (IEF), há indícios de que o incêndio, que devastou a Serra da Moeda, entre os últimos dias 11 e 15 de setembro, foi criminoso, mas nenhum suspeito foi identificado ainda. A investigação vai ser conduzida pela Polícia Civil, mas o inquérito só será aberto após conclusão do Relatório de Ocorrência de Incêndio, que ainda está em elaboração.


Para além das perdas com flora e fauna (veja mais informações abaixo), o incêndio também ameaça as 163 nascentes que estão na Serra da Moeda e são a principal fonte de reposição dos rios das Velhas e Paraopeba, ambos afluentes do rio São Francisco e imprescindíveis à região metropolitana de Belo Horizonte, segundo o IEF. 


O prejuízo à paisagem cultural e à memória histórica presentes na região também foi grande, já que, segundo dados do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), há sítios arqueológicos na região.


Para o capitão dos bombeiros Warley de Paula Vieira Barbosa, do Batalhão de Emergências Ambientais e Respostas a Desastres (Bemad), os danos podem ser irreparáveis. “A gente pode perder espécies de fauna e flora que ficarão extintas”, lamenta.


Sobre o incêndio e as perdas

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo só foi totalmente apagado às 17h35 da última terça-feira, 15, ou seja, 96 horas após o início das chamas.


Levantamento parcial do Instituto Estadual de Florestas (IEF) indica que a área queimada é de 4.200 hectares (ha), sendo 1.000 ha no interior do Monumento Natural Estadual da Serra da Moeda e 3.200 ha na zona de amortecimento da área de preservação – em 2014, outro incêndio queimou 1.240 ha só dentro do monumento natural, instituído em setembro de 2010.


A perda para a fauna local é incalculável, uma vez que exemplares de várias espécies que habitam a área, como lobos-guará, onças-pardas, gatos-do-mato, raposas-do-campo, tamanduás-mirim, sauás (espécie de macaco), entre outras podem ter morrido em meio às chamas. 


Ainda não há dados precisos sobre a dimensão do impacto à fauna local. No entanto, o relato do capitão dos bombeiros Warley de Paula Vieira Barbosa, do Batalhão de Emergências Ambientais e Respostas a Desastres (Bemad), deixa claro que os bichos foram grandes vítimas. “Colegas meus viram vários animais atingidos. Muitos mortos”, conta. 



logo-rodape-novo.png

A Rádio da Massa é a primeira emissora de rádio da América Latina, personalizada, criada e produzida exclusivamente, 100% para a torcida de um grande clube de futebol, o Galo!

  • whatsapp (1)
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

Ouça ao vivo!